08 março, 2010

Ora sai mais uma dose...

Ora viva, companheiros! Voltamos com mais alguns "petiscos" linguísticos da nossa terra!

Alagar
Visto que o Tejo anda cheio de água, vamos começar pela expressão alagar. Já reparou que Alpiarça deve ser a única terra de Portugal onde alagar não significa apenas "ficar submerso"/"cobrir de água"/etc.?
Pode também ser usada quando queremos dizer que algo foi mandado abaixo/derrubado.
Alguns exemplos:
- "então não é que aquele corno me mandou uma cóquinada ca camnéte no muro que mo alagou?" (tradução: um senhor chifrudo bateu com a carrinha no muro e mandou-o abaixo).
- "arrmei-lhe c'uma punhada que o alaguei logo ali!" (tradução: "dei-lhe um murro e ele ficou inconsciente").

Igual é meter 2 dedos no cú e cheirar
Ora aí está a classe, o requinte, o toque máximo nas Pérolas de Sabedoria Alpiarçolha! Como era bom se os nossos deputados na Assembleia usassem expressões desta craveira! O País teria logo outro rumo. Por exemplo, quando dissessem ao Sócrates que este Orçamento era igual ao anterior ele poderia logo responder com um "Oh senhor deputado! Igual? Por amor de Deus! Igual, meu caro, é meter dois dedos no cú e cheirar!". É que perante uma verdade destas não há contra-ataque possível!

Pior que o boi do Lico
Dizer a alguém que é pior que o boi do Lico, é, normalmente, um elogio machista que significa dizer que o senhor em causa é mais "cobridor" que um boi de cobrição! E não um boi qualquer, meus caros. É o boi do Lico, boi mítico que era conhecido por ser o mais cobridor da região! Que o digam as vacas das redondezas!

Beber até chegar com o dedo
Para terminar ficamos com esta estimulante expressão. Imagine que está um tempo adegueiro (ver posts anteriores) e começa a beber uns copos com os amigos. Bebe, bebe, bebe... Chega então a um ponto em que está tão cheio que não cabe literalmente mais nada (chega lá com o dedo, recorda-se?). Bom, acho que não é preciso explicar mais... Deixo a sua imaginação fazer o resto!

___
Desejos de um excelente mês de Março. Aproveito para informar que estamos a ficar sem stock (já publicámos 140 posts!) e que gostaria de pedir a vossa participação.
Enviem-nos histórias, alcunhas, expressões, etc. Conto convosco!

Um abraço do Cão, o Malinoso, pois claro!

4 comentários:

Méon, disse...

Delicioso, este blogue. Um amigo de longa data deu-me a dica e vim à procura.
E encontrei!

Sou da diáspora alpiarcense, como não ficar catrapiscado?

Abraço, voltarei!

Vasco Gaspar disse...

Obrigado! :))

Adorei o catrapiscado!!! :)))

Abraço,
Vasco

Anónimo disse...

Ora aí segue uma alcunha ainda não inventariada.

Eskim do Melro.

Há uns anos, ia mais o meu avô Xico na sua fraguenéte e passamos por um home que seguia de pasteleira. O meu avô volta-se para ele e grita (gozando): "Rasgarem o mê Eskimzinho todo". E a seguir contou-me a história: "ó mais canino, há muitos anos era este home cachopo, chega-se um repá ó pé dele e diz:
- ó Eskim queres este melro?
- Quero - diz o Eskim;
- Só to dou se te for ó cú- diz o outro;
E lá seguiu a éstória, dispensando os pormenores.
O Eskim chega a casa com o seu melro e a mãe repara que o filho não tava bem. Repara melhor e vê que ele trazia sangue nas calças. Averigua e depara-se que o filho tinha o cú todo rasgado. A mulher sai logo a correr de casa e começa a gritar pela rua fora: "Rasgarem o mê Eskimzinho todo".
Os anos passaram e ele ficou o "Eskim do Melro".
História Hardcore mas com valor.
Obrigado Avô, onde quer que estejas.

Abraço e parabéns,

Vasquinight

Cão Malinoso disse...

Grd história! harcore sim, mas é o que é! :)))

Obrigado!!!

Trava Eskim!! :)